Pular para o conteúdo principal

Quem e por que os cristãos primitivos eram perseguidos


Quem e por que os cristãos primitivos eram perseguidos
(Corrigido) 

por Jorge Nilson


Resultado de imagem para perseguição aos cristãos
                                                                        Fonte: Web

 O Cristianismo sempre foi perseguido desde a sua existência. Dos anos 100 a 313, a igreja enfrentou os problemas das heresias internas e, ainda tinha que resolver os problemas das perseguições do Governo Romano. Essa experiência é continua até a volta do Senhor.
Os judeus foram os primeiros perseguidores. Antes de 250 d. C. a perseguição era predominante local, esporádica e era uma ação localizada e popular e não uma política definida pelo governo. Após essa data, porem, era uma estratégia governamental e muito violenta. Apesar de toda a perseguição e martírios, a igreja cresceu e tornou-se uma grande realidade a ideia de Tertuliano: " O sangue dos cristãos é a semente" (da igreja). Somente após o governo de Constantino a igreja conseguiu a liberdade de culto e pregação.

Algumas possíveis causas da perseguição

1. Política
Acreditava o governo que o cristianismo era um ramo do Judaísmo, que era uma religião licita. Com  isso, a igreja sofreu pouco. Porém, aos poucos, começou a ser distinguida do judaísmo e ai os conflitos aumentaram em demasia. Começou a ser vista como uma sociedade secreta e independente; então o governo romano começou a vê-la como desobediente, e isso era inaceitável para Roma. Tornou-se uma religião ilegal, considerada uma ameaça a segurança nacional.  O Estado era supremo, não poderia haver outro superior a ele.
Contribuir para o estado era uma obrigação e o crescimento do cristianismo escapava do controle estatal. Ser leal a Cristo ou a César, era uma decisão para os cristãos. Manter a cultura clássica e a submissão a Roma, entre os cristãos, fazia com que os romanos exigissem dos seguidores do Nazareno, uma decisão única: César ou Cristo. Algumas práticas cristãs eram consideradas desobediência: recusa em oferecer incenso aos altares devotados ao imperador romano. Quem fizesse sacrifícios ao imperador nesses altares, poderiam praticar uma segunda religião. Como havia recusa entre os cristãos, eles eram perseguidos.  Também os cristãos realizavam as suas reuniões em secreto e durante a noite. Com isso,  as autoridades romanas pensavam que eles estavam tramando uma conspiração contra o Estado.

2. Religiosas
Enquanto os cristãos praticavam uma religião "secreta" (temendo a perseguição), os romanos tinham seus altares, ídolos, cânticos, sacerdotes, ritos e práticas externas.  Qualquer pessoa poderia adorar outros deuses, desde que César fosse adorado prioritariamente.
Não havia ídolos nos cultos cristãos, as suas orações eram feitas de pé e de olhos fechados, com as mãos levantadas sem que existisse algo material a ser visto. Os romanos consideravam essa prática, ateísmo. Devido ao sigilo dos encontros, difamava-os dizendo que os seguidores de Cristo eram canibais, incestuosos e praticavam coisas desumanas. Devido o não entendimento dos romanos do significados de "comer e beber" os elementos da Ceia, espalhavam que eles comiam as crianças em sacrifícios. O ósculo santo, que já era um costume judeu e praticado pelos cristãos, foi logo transformados em acusações de incesto e outras formas imorais. Para a elite romana, isso era um absurdo.

3. Sociais
Por exercer influência sobre a camada escrava e pobre da sociedade, os romanos temiam essa influência cristã entre o povo e passaram a desprezá-los e a odiá-los. Os cristãos defendiam a igualdade entre todos os homens (Col. 3:11), enquanto  o paganismo insistia na estrutura aristocrática da sociedade em que uns poucos privilegiados eram servidos pela camada mais pobre e escravizada. Os seguidores de Cristo não participavam dos teatros, jogos e lugares de recreações. Isso causava antipatia . A pureza dos crentes incomodava os pagãos e vinham isso como perigo para a sociedade, classificando os cristãos como pessoas que "odiavam a humanidade" e que poderiam incitar revoltas entre o povo.

4. Econômicas
O lucro dos que vendiam ídolos diminuíram excessivamente, e o culto a Diana ficava prejudicado. Com os  lucros reduzidos, houve uma forte reação contra os do Caminho. Os sacerdotes pagãos, os pintores, os adivinhos, os fabricantes de ídolos, os arquitetos e escultores tinham ojeriza a igreja.  
No ano 250 a perseguição não era mais localizada, era generalizada e violenta. Os cristãos foram responsabilizados pela fome, pelas pragas e pelas agitações civis no império romano. Eles faziam o povo abandonarem seus ídolos. Tudo isso fizeram as autoridades acreditarem que os cristãos eram os culpados por tudo de ruim que estava acontecendo. Então, o mal teria que ser destruído. Essas e outras razões foram as causas das perseguições aos cristãos primitivos.
E sereis odiados de todos os homens por causa do meu nome; mas aquele que perseverar até o fim será salvo. Mateus 10:22

Fonte: https://escolabiblicadominicalbr.blogspot.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D