Pular para o conteúdo principal

EQUIPE DE O GLOBO/ÉPOCA É “EXPULSA” DE ALDEIA INDÍGENA APÓS CONFUSÃO

Sem autorização da Fundação Nacional do Índio (Funai), uma equipe da Revista Época/Jornal O Globo entrou em uma aldeia do povo Kamayurá, no alto do rio Xingu no estado do Mato Grosso, com objetivo de buscar informações sobre a filha adotiva da Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Sustenta-se que o objetivo da equipe faz parte de uma tentativa de colocar a Ministra do Governo Bolsonaro, no centro de novas polêmicas sobre o salvamento de crianças indígenas do infanticídio.

Foto: reprodução vídeo de Ysani Kalapalo- Instagram

Por meio de uma denúncia feita pela liderança indígena Ysani Kalapalu por seu Instagram pessoal, iniciamos uma investigação sobre o caso e destacamos aqui alguns excessos por parte do Grupo Globo.

Em reportagem divulgada nesta sexta-feira (25), dia sobre a tragédia em Brumadinho (MG), o jornal já havia falado sobre os gostos musicais da filha adotiva da ministra, Lulu Kamaiurá, que nasceu no Parque do Xingu e é indígena desta aldeia.

O objetivo da equipe era falar com a mãe biológica de Lulu Kamayurá e com outros indígenas conhecidos de dela. segundo as informações,a repórter Natália Portinari que não conhece o idioma, os costumes e as características do povo Kamaiurá, teria criado uma grande “confusão” dentro da aldeia, pois quando a mãe biológica e os irmãos de Lulu, viram a repórter entrevistando indígenas sobre este caso, chegaram a pensar que Lulu havia morrido.

Por meio de um contato sem autorização da FUNAI, desrespeitando a cultura dos índios, a equipe causou constrangimento irreparável aos familiares de Lulu.

A situação foi esclarecida, mas causou furor entre o povo Kamaiurá, pois os indígenas descobriram que a repórter do jornal O Globo e da Revista Época teria “ludibriado” o cacique para ingressar, de forma irregular na aldeia, já que não foi explicado corretamente o objetivo da reportagem, tampouco que a intenção seria atingir a Ministra do Governo Bolsonaro, com intervenções suspeitas.

Pelas redes sociais, Ysani Kalapalo, liderança indígena, disse que a comunidade ficou com medo da presença da equipe na aldeia.

“A gente ficou sem entender porque ela foi lá. Até que pessoal não aceitou mais a presença da jornalista lá que procurava saber da vida de Lulu. Foi muito estranho isso”, disse.

Ysani lembrou que a Ministra Damares salvou diversas crianças que seriam mortas, lembrando o caso Hakani que virou Filme de sucesso no Brasil.

Mesmo que o povo Kamaiurá não seja uma tribo considerada isolada, mas sem as orientações da Funai, a equipe de reportagem colocou em risco a comunidade e também se colocou em risco, pois essa equipe de O Globo não conseguiu transmitir com clareza a informação sobre suas verdadeiras intenções com relação a uma indígena daquele povo. E, obtivemos informações de que diversos indígenas daquela tribo não conseguiram entender o objetivo da reportagem e tampouco o teor das perguntas da repórter, prevalecendo, neste caso, o etnocentrismo.

Segundo a denunciante Ysani Kalapo, a equipe buscava alternativas para macular a imagem da Ministra Damares Alves.

Algumas das razões que a FUNAI autoriza ou impede visitas às aldeias estão associadas a questões de cultura; invasão cultural; privacidade; e a possibilidade, hipotética, de um visitante levar uma simples gripe ou qualquer outra doença para a aldeia e causar uma epidemia.

OUTRO LADO

A reportagem do Marreta Urgente entrou em contato com a sucursal da revista época/o Globo em Brasília e conversou com o editor Vinicius Sassine, na intenção de buscar maiores informações sobre o ocorrido, por telefone Vinicius limitou-se a dizer que a matéria não foi publicada e não estaria falando sobre o assunto. Expressou “a gente não dá entrevistas, a gente faz entrevistas”.

Em contato via telefone e por WhatsApp com a repórter Natália Portinari, não obtivemos retorno, apesar de constatar que as mensagens foram visualizadas.

Assista ao Vídeo:

Fonte: Marreta Urgente/You Tube

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D