Pular para o conteúdo principal

Falas de Mourão sobre Israel e aborto incomodam políticos e líderes evangélicos

Fala sobre transferência da embaixada do Brasil em Israel repercutiu negativamente
Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão

Algumas falas do vice-presidente Hamilton Mourão estão gerando um desgaste na relação do Palácio do Planalto com lideranças evangélicas, segmento fundamental na eleição do presidente Jair Bolsonaro.

Nos últimos dias, deputados da bancada evangélica e líderes de igrejas manifestaram a insatisfação com o vice, em especial após ele se manifestar contra a mudança da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém.

Eles esperam que o presidente desautorize publicamente o vice após voltar às suas atividades normais. Bolsonaro permanece internado no Albert Einsten, em São Paulo, recuperando-se da cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal.

Enquanto estava como presidente em exercício, Mourão recebeu o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben, e chegou a se manifestar contrário à mudança da embaixada. Também falou sobre o aborto ser “opção da mulher”. Nenhuma das duas declarações foi bem aceita pelos membros da Frente Parlamentar Evangélica (FPE), que na atual Legislatura conta com 108 deputados e 10 senadores.

A pauta pró-vida e o apoio a Israel são bandeiras históricos da bancada.

“Vamos cobrar (do Bolsonaro) o cumprimento daquilo que foi tratado. Se o Mourão está a serviço de algum grupo de interesse contrário a que isso aconteça, tenho convicção que ele perdeu essa queda de braço. Mourão é um poeta calado. Sempre que abre a boca cria um problema para o governo”, disparou o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM/RJ).

O parlamentar, que concorre à presidência da FPE, lembra que “Esse foi um compromisso de campanha do presidente da República com nosso seguimento. Nós não pedimos muitas coisas a ele, mas essa foi uma delas”.


Filipe Barros. (Foto: Divulgação)

O deputado federal Filipe Barros (PSL/PR), uma das principais lideranças evangélicas no partido do presidente, disse que “Quando o Bolsonaro se recuperar, vamos marcar uma audiência com ele. A ideia é levar uma carta deixando claro nossa insatisfação. Hoje, o Mourão é uma instituição e deveria guardar as opiniões para ela”. Ele já havia usado a tribuna da Câmara para manifestar-se contrário ao pronunciamento do vice sobre o aborto.

Já o pastor Silas Malafaia, líder da igreja Vitória em Cristo e presidente do Conselho dos Pastores do Brasil, também foi incisivo nas críticas ao vice. “Por que o Mourão, sabendo das bandeiras do Bolsonaro, não se manifestou antes da eleição? É uma coisa feia esconder suas convicções. Faltou protocolo e ética no exercício da função dele. Mourão está fazendo campanha para 2022, mas a ala conservadora não vota nele nunca”, avalia.

Ao que se sabe, no caso da embaixada, Mourão reproduziu o pensamento dos militares, que possuem grande força no governo Bolsonaro, especialmente quando faz críticas à política externa e sinaliza que a prioridade do governo deve ser a agenda econômica, e não a de costumes.

Fonte: Gospel Prime


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D