Pular para o conteúdo principal

Um exemplo gritante da inconsistência da STV


Um artigo publicado na Sentinela de 1 de abril de 1998 me lembrou da extrema inconsistência no pensamento dos líderes das Testemunhas de Jeová.   Este artigo, que vai da página 10 a 20, enfatiza o alto nível de confiabilidade dos manuscritos em hebraico e grego nos quais os tradutores confiam quando promovem a produção de traduções confiáveis ​​em idiomas modernos.
Da página 12 a 9, a Sociedade comenta sobre o trabalho dos “copistas” que fizeram cópias dos documentos originais inspirados.   “Os copistas não só eram muito habilidosos, mas também tinham um profundo respeito pelas palavras que copiavam.”
O parágrafo 10 acrescenta:
“Há, de fato, evidências convincentes de que os textos em hebraico e grego, nos quais as traduções modernas se baseiam, representam com notável fidelidade as palavras dos escritores originais.   As evidências consistem em milhares de cópias manuscritas de manuscritos da Bíblia – estima-se que 6 mil de todas ou partes das escrituras hebraicas [O / T] e cerca de 5 mil das escrituras cristãs em grego [N / T] – sobreviveram aos nossos dias.”
“Comentando o texto das escrituras hebraicas, o erudito William H. Green pôde declarar:   ‘Pode-se dizer com segurança que nenhum outro trabalho da antiguidade foi transmitido de maneira tão precisa’.   Confiança semelhante pode ser colocada no texto das escrituras gregas cristãs.”
Agora, meus queridos leitores, observe atentamente essa última observação dos líderes das Testemunhas de Jeová:   “Confiança semelhante pode ser colocada no texto das escrituras gregas cristãs”.   Além disso, observe a afirmação feita no final do parágrafo. 8:   “Como os humanos não são perfeitos, os erros dos copistas mudaram substancialmente o texto da Bíblia? A esmagadora evidência diz que não!
Os líderes das Testemunhas de Jeová, então, estão plenamente convencidos de que os textos gregos do Novo Testamento, embora copiados muitas vezes ao longo dos séculos, não contêm erros de copistas que mudariam substancialmente o texto da Bíblia (todos os erros devem ser pequenos).
No entanto, quando lemos o “avanço” para a edição de 1985 da Tradução Interlinear do Reino da Sociedade Torre de Vigia encontramos a desculpa para inserir a palavra Jeová no texto do Novo Testamento não menos que 237 vezes, enquanto nossos Novos Testamentos não têm sequer uma (veja KJV, NKJV, NASB, NIV):
“Restaurando o Nome Divino, Jeová:  A evidência é que o texto original das Escrituras Gregas Cristãs foi adulterado, assim como o texto da LXX foi.   (Ver Ap. 1A, B.)   Em algum momento durante o segundo ou terceiro séculos EC, o Tetragrammaton (YHWH, ou JHVH) foi eliminado do texto grego por copistas que não entendiam ou apreciavam o nome divino ou que desenvolviam uma aversão a ele, possivelmente sob a influência do anti-semitismo.   Em vez de YHWH (ou JHVH), eles substituíram as palavras Ky’ri * os, “Senhor” e “Os *”, “Deus”.”
É preciso perguntar como pode a Sociedade afirmar: “Os copistas não apenas eram muito hábeis, mas também tinham profundo respeito pelas palavras que copiavam”, e ao mesmo tempo insistiam: “A evidência é que o texto original das escrituras gregas cristãs [N / T]  foram adulteradas. ”   Além disso,“ … o tetragrama (YHWH, ou JHVH) foi eliminado do texto grego por copistas que não entendiam ou apreciavam o nome divino, ou que desenvolveram uma aversão a isto…”?!
Também devemos perguntar quão substancialmente tal “ adulteração ” mudará o texto da Bíblia?   A resposta é muito substancial.   Vamos imaginar que a situação seria se as Testemunhas de Jeová estivessem corretas em sua afirmação de que o Nome de Deus  realmente estivesse nos escritos do NT, sem ter sido alegadamente removido pelos copistas.   Que efeito isso teria sobre a igreja ao longo dos séculos até agora?
1)     Provavelmente haveria uma série de denominações cristãs com títulos como “A Igreja de Jeová”; “Assembléias de Jeová”; “Os Discípulos de Jeová”; “O Caminho de Jeová” etc.
2)     Os hinários da Igreja seriam cheios de louvores a Jeová (haveria muito poucas canções louvando a Jesus).
3)     Os cristãos conservadores teriam o hábito de dizer: “Louvem a Jeová” em vez de “Louvado seja o Senhor”.
4)     Pastores e evangelistas de todos os lugares estariam citando Romanos 10:13 da seguinte maneira:   “Pois todo aquele que invocar o nome de Jeová será salvo” e depois exortarão o povo a invocar a palavra Jeová para serem salvos. .
Os exemplos acima são apenas algumas das mudanças profundas que teriam se desenvolvido se o texto inspirado original do Novo Testamento tivesse de fato contido a versão em hebraico de “Jeová” e não tivesse sido removido por copistas.
Então, nós cristãos, precisamos pedir às Testemunhas de Jeová uma explicação.   Peça uma cópia da Sentinela de 1º de abril de 1998 e sublinhe as palavras citadas nesta carta.   Então, quando as Testemunhas visitar você, peça para ver uma cópia do seu Interlinear mostre-lhes a declaração na parte inferior da página 10.   Em seguida, pergunte-lhes qual das afirmações é verdadeira, a da Torre de Vigia ou a da Interlinear.   Se as Testemunhas de Jeová não tiver uma cópia da Interlinear com ela, programem um dia definido para que elas voltem com ela.
Escusado será dizer que, a correta indicação é a da “Watchtower.”  É realmente verdade que “pode se dizer com segurança que nenhuma outra obra da antiguidade foi transmitida com tanta precisão.”   Sendo este o caso, deve ser óbvio para qualquer pessoa de coração honesto e com um pouco de bom senso que “Jeová” não foi excluído do texto grego inspirado original do Novo Testamento simplesmente porque nunca esteve lá em primeiro lugar.
Basta pensar nisso – este 01 de abril Sentinela nos informa que há “cerca de 5.000 [cópias] das escrituras cristãs [N / T] em grego.”   E nenhum deles contém a forma Hebraica do NOME DE DEUS DO VELHO TESTAMENTO!
Escrito por Peter Barnes
Fonte: www.soundwitness.org
Tradução: Equipe editorial do CACP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D