Pular para o conteúdo principal

Gleisi Hoffmann diz que “Jesus não morreu pelos nossos pecados”

Deputada defende que Cristo só morreu por que “confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres”

Gleisi Hoffmann (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A “ressignificação” da história é um processo comumente usado pelos ideólogos. O método utiliza-se de um conceito da neurolinguística para tentar fazer com que as pessoas possam atribuir novo significado a acontecimentos através da mudança de sua visão de mundo.
Após a derrota nas eleições presidenciais no ano passado, o Partido dos Trabalhadores identificou nos cristãos, sobretudo os evangélicos um segmento a ser mais valorizado. Em 9 de abril, foi realizado o 1º Encontro de Evangélicos e Evangélicas do Partido dos Trabalhadores. Na ocasião, a deputada federal Gleisi Hoffmann, presidente da sigla, declarou que “Jesus sempre foi referência” para o partido.
Neste final de semana, por ocasião da Páscoa, Gleisi voltou a tentar ressignificar um dos alicerces do cristianismo e fez postagens em suas redes sociais que afrontam o Evangelho, em especial na data mais importante para os seguidores de Jesus.
“A ressurreição está nos que lutam: índios, sem terras, pobres, trabalhadores, as verdadeiras causas do Cristo ressuscitado”, diz a imagem publicada por ela no Twitter onde uma representação de Cristo aparece ao lado do ex-presidente Lula, um membro do MST e um indígena.
No Facebook, ela publicou a mensagem: “Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres.”
Trata-se de uma frase retirada do artigo “Jesus não morreu pelos ‘nossos pecados’ e sim por enfrentar o sistema” do site Brasil de Fato, que acompanhava a publicação.
Foram mais de 2 mil compartilhamentos e 1,6 mil comentários. Como ficou evidenciado, a colocação incomodou muita gente.
Gleisi Hoffmann
no domingo
"Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres."
Ótima reflexão para hoje!

BRASIL DE FATO.COM.BR
Artigo/Jesus não morreu pelos "nossos pecados" e sim por enfrentar o sistema / Brasil d...
Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu por que confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração


Entre vários adjetivos ofensivos, Gleisi foi chamada de “ateísta” e “herege”. “Nunca leu uma linha da Bíblia”, reclamou uma pessoa.
A associação de Jesus com um “líder do povo” que agia por motivações políticas não é novidade. Contudo, essa negação do centro da mensagem do cristianismo, de que sua morte foi pagamento pelos pecados de todos os seres humanos.
A postura da líder petista evidencia que a agenda política do PT tenta gerar uma identificação com os cristãos, que são maioria no país, mas impondo uma narrativa que fere a base da fé da maioria da população.
Fonte: Gospel Prime/Instagram  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA SOCIAL Vergonha para os baianos: dos 100 piores municípios para se viver em todo país, quase metade desses estão no estado da Bahia

Foto: Jucuruçu, no extremo sul da Bahia, é citado na lista Quatro em cada dez cidades brasileiras consideradas as piores para se viver ficam na Bahia. A informação é baseada em um relatório divulgado anualmente pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que considera um índice similar ao IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, que avalia longevidade, educação e renda da população) da Organização das Nações Unidas. O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) acompanha o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros também em três áreas de atuação: emprego e renda, educação e saúde. O índice varia de 0 (mínimo) a 1 ponto (máximo) e quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade. De acordo com os dados da Firjan, 55,2% do total das cidades possuem desenvolvimento moderado, e 1,9% (106 cidades) estão com baixo desenvolvimento, ou seja, abaixo de 0,4. Apenas 332 cidades (6% do total) possuem alto d

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas