Pular para o conteúdo principal

Gleisi Hoffmann diz que “Jesus não morreu pelos nossos pecados”

Deputada defende que Cristo só morreu por que “confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres”

Gleisi Hoffmann (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A “ressignificação” da história é um processo comumente usado pelos ideólogos. O método utiliza-se de um conceito da neurolinguística para tentar fazer com que as pessoas possam atribuir novo significado a acontecimentos através da mudança de sua visão de mundo.
Após a derrota nas eleições presidenciais no ano passado, o Partido dos Trabalhadores identificou nos cristãos, sobretudo os evangélicos um segmento a ser mais valorizado. Em 9 de abril, foi realizado o 1º Encontro de Evangélicos e Evangélicas do Partido dos Trabalhadores. Na ocasião, a deputada federal Gleisi Hoffmann, presidente da sigla, declarou que “Jesus sempre foi referência” para o partido.
Neste final de semana, por ocasião da Páscoa, Gleisi voltou a tentar ressignificar um dos alicerces do cristianismo e fez postagens em suas redes sociais que afrontam o Evangelho, em especial na data mais importante para os seguidores de Jesus.
“A ressurreição está nos que lutam: índios, sem terras, pobres, trabalhadores, as verdadeiras causas do Cristo ressuscitado”, diz a imagem publicada por ela no Twitter onde uma representação de Cristo aparece ao lado do ex-presidente Lula, um membro do MST e um indígena.
No Facebook, ela publicou a mensagem: “Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres.”
Trata-se de uma frase retirada do artigo “Jesus não morreu pelos ‘nossos pecados’ e sim por enfrentar o sistema” do site Brasil de Fato, que acompanhava a publicação.
Foram mais de 2 mil compartilhamentos e 1,6 mil comentários. Como ficou evidenciado, a colocação incomodou muita gente.
Gleisi Hoffmann
no domingo
"Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres."
Ótima reflexão para hoje!

BRASIL DE FATO.COM.BR
Artigo/Jesus não morreu pelos "nossos pecados" e sim por enfrentar o sistema / Brasil d...
Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu por que confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração


Entre vários adjetivos ofensivos, Gleisi foi chamada de “ateísta” e “herege”. “Nunca leu uma linha da Bíblia”, reclamou uma pessoa.
A associação de Jesus com um “líder do povo” que agia por motivações políticas não é novidade. Contudo, essa negação do centro da mensagem do cristianismo, de que sua morte foi pagamento pelos pecados de todos os seres humanos.
A postura da líder petista evidencia que a agenda política do PT tenta gerar uma identificação com os cristãos, que são maioria no país, mas impondo uma narrativa que fere a base da fé da maioria da população.
Fonte: Gospel Prime/Instagram  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D