Pular para o conteúdo principal

O Hamas e a Extrema Esquerda Brasileira!

ÓDIO A BOLSONARO LEVA ESQUERDA PARA COLO DOS TERRORISTAS DO HAMAS


“PCC condena visita de governador do Rio a São Paulo: grupo critica reunião entre governadores dos dois estados”. O que o leitor acharia de uma manchete dessas? Estranha, para dizer o mínimo, certo? Qual o sentido de dar destaque para o que pensa uma organização criminosa sobre um encontro oficial entre governantes legitimamente eleitos? Pois foi justamente o que fez a mídia sobre a ida do presidente Bolsonaro a Israel. Vejam quatro casos:


Deixei por último a CartaCapital, revista associada à extrema-esquerda, justamente para mostrar como não há mais grandes diferenças entre os veículos tradicionais e os panfletos socialistas. Será que vão tratar o Comando Vermelho como “movimento social” também? Nem a Autoridade Palestina, que já é um grupo com inclinação criminosa, fez alarde sobre a visita do presidente brasileiro a Israel. Os “jornalistas” precisaram se acorrer aos radicais terroristas do Hamas para encontrar uma condenação e justificar sua narrativa pré-fabricada e tosca.
O Egito, a Jordânia e a Arábia Saudita deploram o Hamas. O grupo terrorista já matou inúmeros inocentes, e poucas semanas atrás eliminou dezenas de opositores palestinos, sem qualquer pio da mídia nacional. É um grupo de marginais que tomou conta do território e mantém a população refém pelo medo, oferecendo alguns “serviços sociais” para manter o verniz de legitimidade. Exatamente como fazem os traficantes e milicianos das favelas cariocas!
Não se trata, portanto, de um “grupo palestino”, mas de uma organização terrorista, e não é uma questão de opinião, muito menos dos Estados Unidos e Israel apenas, e sim um fato. A corte jurídica mais alta da União Europeia considera o Hamas um grupo terrorista e decidiu por manter 28 de seus líderes no topo da lista negra do terrorismo. Como se pode ver, é um caso de FATOS, não de achismo ou subjetivismo. O Hamas é terrorista, ponto.
Mas a esquerda, em sua cruzada patológica contra Trump e Bolsonaro, dois líderes que resolveram felizmente se aproximar de Israel, alimentam cada vez mais um antissemitismo abjeto. Aqui nos Estados Unidos os democratas foram incapazes de condenar oficialmente sua deputada islâmica Ilhan Omar, que fez ao menos três declarações antissemitas em apenas seis semanas. No Brasil, já vimos políticos do PSOL queimando bandeira de Israel em praça pública, esquerdistas apoiando a “causa palestina”, e agora vemos a imprensa tratar os terroristas do Hamas como uma fonte legítima de crítica ao encontro de dois presidentes legítimos.
Eis um trecho da “reportagem” da CartaCapital:
O Hamas, organização islâmica nos territórios palestinos, responsável por cuidar das fronteiras da Faixa de Gaza, divulgou nesta segunda-feira 1 uma nota repudiando a visita do presidente Jair Bolsonaro a Israel. O grupo, que é classificado como terrorista pelos EUA e Israel, afirmou que a atitude de Bolsonaro viola as leis e normas internacionais e que isso não representa a atitude histórica do povo brasileiro. O Hamas pede que a Liga Árabe, a Organização da Cooperação Islâmica e todas as organizações internacionais pressionem o governo brasileiro a derrubar esses movimentos que apoiam Israel. “O Hamas também condena os planos de abertura de um escritório de negócios do Brasil em Jerusalém. Exigimos que o Brasil recue de imediato desta política que viola a legitimidade internacional e vai contra a posição histórica. Essa política não ajuda a estabilidade e a segurança da região e ameaça os laços do Brasil com países árabes e muçulmanos”, conclui o texto.
O quão absurdo é esse texto?! Parece assessoria de imprensa do próprio Hamas! Se os terroristas palestinos condenam algo, esse algo deve ser bom! Não é uma “organização islâmica” responsável por “cuidar das fronteiras”, mas um grupo terrorista que domina um território de forma hostil. O presidente Lula recebeu Ahmadinejad, seu companheiro, e a esquerda achou lindo. Mas Bolsonaro visitar Netanyahu, isso é inaceitável, e a fonte oficial da revolta será o Hamas, um grupo terrorista. É o fundo do poço!
Uma conhecida judia desabafou: “Muito impressionada. Angustiada mesmo. Todos os odiadores esquerdistas do Bolsonaro agora estão explícitos no antissemitismo. Estão defendendo o Hamas, simplesmente porque Bolsonaro sabe com quem está lidando e trata o grupo como o que são: TERRORISTAS! Não vamos enfiar a cabeça na terra como avestruzes, porque essa gente é raivosa. Também sabemos ser. Somos cidadãos brasileiros, judeus, estamos do lado certo e isso nada tem a ver com Bolsonaro. Tem a ver só com caráter mesmo, mais nada. Ou se tem, ou não. Não existe defensor do Hamas bom caráter. Só isso”.
Ela está certa, claro. E também acerta ao acusar os judeus esquerdistas de traidores, pois são. Paradoxalmente, a maioria dos judeus americanos também vota na esquerda democrata, que cada vez mais luta para boicotar Israel e disseminar a judeofobia por meio de congressistas ligados ao radicalismo islâmico.
O ódio a Trump e a Bolsonaro parece ser maior até do que o amor pelo judaísmo e o direito de existência de sua nação. Escondem o antissemitismo no anti-sionismo, como se o problema fosse Israel, e não o povo judeu. Balela! Todos sabem que o ataque a Israel é somente uma forma mascarada moderna de condenar os judeus, que seriam “varridos do mapa” se disputassem uma eleição “democrática” com aqueles que apoiam o Hamas.
Como comentei hoje mais cedo na Jovem Pan, o ponto mais importante da visita de Bolsonaro a Israel foi simbólico e intangível: a mensagem de que ainda existe clareza moral no mundo, mesmo com o multiculturalismo relativista. Israel merece ser defendido. Mas a esquerda, perdida em sua patologia ideológica, prefere tomar o partido dos terroristas do Hamas, se isso render alguma crítica a Trump ou Bolsonaro. É mesmo algo nojento…
Rodrigo Constantino
Extraído do site www.gazetadopovo.com.br/ em 02/04/2019

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA SOCIAL Vergonha para os baianos: dos 100 piores municípios para se viver em todo país, quase metade desses estão no estado da Bahia

Foto: Jucuruçu, no extremo sul da Bahia, é citado na lista Quatro em cada dez cidades brasileiras consideradas as piores para se viver ficam na Bahia. A informação é baseada em um relatório divulgado anualmente pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que considera um índice similar ao IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, que avalia longevidade, educação e renda da população) da Organização das Nações Unidas. O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) acompanha o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros também em três áreas de atuação: emprego e renda, educação e saúde. O índice varia de 0 (mínimo) a 1 ponto (máximo) e quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade. De acordo com os dados da Firjan, 55,2% do total das cidades possuem desenvolvimento moderado, e 1,9% (106 cidades) estão com baixo desenvolvimento, ou seja, abaixo de 0,4. Apenas 332 cidades (6% do total) possuem alto d

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas