Pular para o conteúdo principal

China intensifica guerra contra os cristãos, que não param de crescer

À medida que os fiéis crescem em número, Pequim intensifica a repressão que é ampla e profunda.

Cristãos se reúnem para cultuar a Deus em casas. (Foto: Reprodução/CBN News)
Cristãos se reúnem para cultuar a Deus em casas. (Foto: Reprodução/CBN News)

Em 4 de junho de 1989, os fiéis da China passaram a viver sob uma nova condição, enquanto o governo chinês massacrava milhares de manifestantes pró-democracia na Praça Tiananmen, em Pequim, líderes do Partido Comunista criavam estratégias para aumentar o controle sobre a religião.

Os grupos cristãos foram obrigados a se registrar em associações “patrióticas” do Estado ou a viver sob o risco de punição como “cultos do mal”.

Ansiosa por manter o acesso aos mercados ocidentais, Pequim aplicou seletivamente essas regras nas grandes cidades. A clandestinidade cristã rural suportou o peso do fechamento de igrejas e do aprisionamento em massa de seus membros em campos de trabalho forçado.

Apesar disso, o cristianismo chinês ainda experimentou um crescimento espetacular nos 30 anos seguintes.
Segundo reportagem do Wall Street Journal, hoje pode haver mais de 100 milhões de cristãos chineses. Todos, com exceção de 36 milhões, praticam sua fé fora do controle do governo.

O sociólogo de Purdue, Fenggang Yang, projetou que a China poderá ter quase 250 milhões de cristãos até 2030. O Partido Comunista fala em 90 milhões de pessoas.

Restrições religiosas

Em 2018, o presidente Xi Jinping começou a aplicar as normas religiosas para conter o crescimento da igreja e a adaptar a crença cristã aos ditames do partido. Ele colocou o controle direto das igrejas ao oficialmente ateu Partido Comunista.
Com essa postura, algumas megaigrejas subterrâneas urbanas foram fechadas. Milhares de fiéis foram presos e vários pastores protestantes proeminentes receberam longas sentenças de prisão.
No início deste mês, o regime lançou uma campanha nacional para erradicar as igrejas não registradas.

O presidente Xi chama essa política de “sinicização”. O objetivo é tornar as religiões instrumentos do Partido Comunista, que fazem propagada ao lado de materiais religiosos das igrejas.

O governo confirmou isso quando inadvertidamente postou documentos internos, baixados pela ChinaAid, uma organização cristã de direitos humanos sem fins lucrativos, revelando que pretendia “conter o crescimento superaquecido do cristianismo”.

No ano passado, na província de Henan, 10.000 igrejas protestantes foram condenadas, embora a maioria tenha sido registrada no estado. Durante 2018, mais de um milhão de cristãos foram ameaçados ou perseguidos e 5.000 presos.
Entre eles está um residente permanente americano, o pastor John Sanqiang Cao, 60 anos, que está cumprindo sete anos por “organizar travessias ilegais de fronteira” para levar ajuda a Mianmar.

Os regulamentos do presidente chinês também proíbem que menores de idade entrem nas igrejas e proíbam escolas dominicais e acampamentos bíblicos. Nas igrejas, os símbolos cristãos às vezes são substituídos por retratos de Xi Jinping. As igrejas sobreviventes podem ter de substituir os ensinamentos bíblicos por valores socialistas.

O Pentágono estima que até três milhões de muçulmanos uigures tenham sido detidos na província de Xinjiang, mas Pequim não pode fazer o mesmo com 100 milhões de cristãos. Porém, a tecnologia ainda permite a repressão em massa.


A polícia encomendou câmeras de reconhecimento facial instaladas dentro de Zion, uma megaigreja protestante não oficial em Pequim, levando o pastor a fechá-la.
Se a história é qualquer medida, a repressão pode, em última análise, fortalecer a fé dos crentes. O pastor Wang Yi e sua esposa foram presos em dezembro e aguardam julgamento por subversão.

Em uma carta de despedida, ele encorajou todos os crentes: “Nessa guerra, em Xinjiang, em Xangai, em Pequim, em Chengdu, os governantes escolheram um inimigo que nunca pode ser aprisionado - a alma do homem. Portanto, eles estão condenados a perder essa guerra”.

Fonte: Guiame

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D