Notícias do Mundo Inteiro

Header Ads

Damares Alves promete ser voz em defesa de cristãos perseguidos no mundo

Declaração foi dada em reunião de Direitos Humanos do Mercosul.

Por
 

Damares Alves. (Foto: Flávio Gusmão/MDH)

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, prometeu ser voz em defesa dos cristãos que sofrem perseguição no mundo. A fala aconteceu em reunião de Altas Autoridades Competentes em Direitos Humanos e Chancelarias do Mercosul e Estados Associados (RAADH), que ocorreu na Argentina.
Com a fala, a ministra coloca a perseguição dos cristãos na agenda oficial do Brasil, pois segundo afirmou, “essa é uma preocupação crescente do governo brasileiro”. Damares teria se reunido ao longo dos últimos meses com instituições que fazem a defesa da liberdade religiosa e apoiam os cristãos da igreja perseguida, segundo informou a assessoria.
“A perseguição, discriminação e violência contra os cristãos, em todo o mundo, é uma preocupação crescente do governo brasileiro. Não vamos silenciar!”, disse a ministra.
Damares também falou dos desafios que o país enfrenta e sobre o comprometimento do governo Bolsonaro em combater o racismo, intolerância religiosa e violência. Esse deve ser o tema principal a ser abordado pela ministra nas próximas reuniões internacionais.
“Como sociedade multirracial, multiétnica e multicultural, o Brasil está firmemente comprometido com a prevenção e o combate ao racismo, à intolerância religiosa e à violência”, discursou a ministra.

Pró-vida

Em um encontro no parlamento argentino, a ministra declarou que a “luta pró-vida do Brasil e [da] Argentina já é grande, estamos unidos há muito tempo, uns se inspirando nos outros”. Damares se reuniu com parlamentares do Partido Celeste Provida, na Câmara dos Deputados da Argentina, com o objetivo de firmar parcerias em defesa da vida desde a concepção.
“Este governo defende a vida desde a concepção”, disse. “O debate do aborto no Brasil está em dois seguimentos. Ele está no Legislativo, onde temos propostas sendo discutidas, e no Judiciário. O Executivo não vai fazer interferência e, como ministra, não faço a militância. A minha história é conhecida, a minha posição pró-vida é conhecida”, disse.
Fonte: Gospel Prime

Postar um comentário

0 Comentários