Notícias do Mundo Inteiro

Header Ads

Batlesbian: A lésbica morcego

Batwoman (mulher morcego) torna-se Batlesbian (lésbica morcego): como super-heróis são usados na máquina de propaganda LGBTQ para normalizar a sodomia para adolescentes


A Gestapo LGBTQ trata como “crime” qualquer sinal de um homem renunciando à homossexualidade, mas o ativismo LGBTQ faz o que quiser com quem quiser. O ativismo LGBTQ vem usando personagens amados de super-heróis que muitos americanos cresceram lendo nas revistas em quadrinhos para propagar um estilo de vida contrário ao sexo biológico.
Em 19 de janeiro de 2020, o episódio da série de televisão Batwoman da CW, a Batwoman (mulher morcego), representada pela atriz Ruby Rose, anunciou ao mundo o que os propagandistas gays chamam de “orientação sexual” — ela agora é Batlesbian (lésbica morcego).
Para quem não acompanha o universo do Batman, Batwoman é realmente Kat Kane, prima de Bruce Wayne, cujo alter ego é Batman.
Batwoman conta a uma adolescente sobre si mesma depois de ouvir sobre os pais da adolescente recusando a aceitar sua homossexualidade. Na verdade, isso foi pura propaganda para incentivar adolescentes confusos sobre sua sexualidade biológica. Normalmente, quando os adolescentes ficam confusos sobre drogas, os pais e outros adultos sábios os incentivam a evitar as drogas.
A homossexualidade não é menos viciante e destrutiva do que as drogas. A maneira de ajudar os adolescentes a evitar comportamentos viciantes e destrutivos é incentivá-los por lei e propaganda. Em dezembro de 2019, o presidente Donald Trump aumentou a idade legal para fumar de 18 para 21 anos para cigarros comuns e eletrônicos para proteger os jovens dos males do fumo.
Enquanto nenhuma medida semelhante for lançada para proteger os jovens, exploradores e predadores gays continuarão usando suas estratégias para transformar tudo em LGBTQ para influenciar e impactar os adolescentes. Eles não vão parar. Assim como as grandes empresas de cigarros, a propaganda deles deve ser parada.
A série Batwoman estreou em outubro de 2019 na CW e foi promovida como a primeira série de super-heróis da história da televisão americana a apresentar um personagem LGBTQ declarado como personagem central.
Eles não vão parar de lançar e transformar personagens tradicionais de super-heróis em propagandistas LGBTQ até que sejam parados.
Se a Rússia conseguiu proibir a propaganda homossexual para crianças e adolescentes, por que os EUA não podem seguir esse bom exemplo para proteger crianças e adolescentes americanos?
Com informações de Charisma.
Versão em inglês deste artigo: Batwoman Becomes Batlesbian: How Superheros Are Used in the LGBTQ Propaganda Machine to Normalize Sodomy to Teenagers
Fonte: www.juliosevero.com

Postar um comentário

0 Comentários