Pular para o conteúdo principal

Análise: 86% dos moradores das favelas passarão fome

Enquanto o movimento “fique em casa” cresce impulsionado por pessoas com renda garantida e geladeira cheia, os índices de fome e os riscos de morte dos mais pobres aumentam a cada dia

PATRICIA LAGES

Moradores da favela Paraisópolis, em São Paulo, aguardam doações  em meio à quarentena

Moradores da favela Paraisópolis, em São Paulo, aguardam doações em meio à quarentena Marcelo Chello/ Cjpress/ Estadão Conteúdo - 24.03.2020


Os dados das pesquisas do Data Favela e do Instituto Locomotiva são tão ou mais alarmantes do que os índices de infectados e mortos por coronavírus. Não está em discussão o fato de que a covid-19 precisa de atenção e providências, isso está claro e é uma realidade, mas a vida e a morte das pessoas não se resumem apenas a ele.

Segundo levantamentos, a quarentena já impactou a vida de 97% dos 13,6 milhões de moradores das favelas de todo Brasil. Sete em cada dez famílias tiveram diminuição da renda nas últimas semanas devido à quarentena. Porém, o fato de não poderem sair para trabalhar não significa que estejam em confinamento e muito menos em segurança. Apenas uma minoria tem carteira assinada e pode ficar em casa sem prejuízo de sua renda.
Mas a dura realidade das favelas é de pessoas que normalmente vivem agrupadas e com pouco ou nenhum acesso a saneamento básico. Para estes não basta dizer “lave as mãos”, mas é preciso também indicar onde fazer isso. Nesse contexto, falar sobre o uso do álcool em gel me parece totalmente dispensável.
Sem emprego formal, a maioria dos moradores empreende por conta própria e vive um dia de cada vez. As pesquisas apontam que, se essas pessoas permanecerem sem trabalhar por um mês, 86% delas terão dificuldades para comprar comida e outros itens básicos de sobrevivência. Embora haja quem justifique a propagação do “fique em casa” dizendo que a saúde vem em primeiro lugar e que as perdas materiais devem ficar em segundo plano, o que dizer a quem já vive com a saúde em risco o tempo todo e que materialmente possui muito menos do que precisa para viver dignamente?

Quando nos referimos aos moradores das favelas, devemos lembrar que estamos falando de cerca de 6,5% da população brasileira que movimenta R$ 119,8 bilhões por ano. Esse é um volume de dinheiro maior do que o PIB de 19 dos 27 estados brasileiros. E qual é o retorno que eles têm? Quanto vale a vida deles? Ou, usando a perguntinha da moda: quantos moradores de favelas precisam morrer para que as pessoas entendam que apenas ficar em casa não resolve?
A impressão que se tem é que não existe mais nenhum problema além da pandemia. Parece que ninguém mais morre por falta de sangue, pois embora os hemocentros estejam com os estoques baixos por falta de doadores, quase não se ouve falar disso. Parece que ninguém mais precisa de tratamento médico, que não há mais dengue nem tuberculose e que o acompanhamento a diabéticos, hipertensos e de pessoas com câncer pode esperar tudo isso passar. O coronavírus pode causar mortes muito além de suas vítimas diretas e ficar em casa de braços cruzados publicando textões para ganhar likes, frases de efeito e hashtags da moda não vai diminuir o problema.

Patricia Lages
É jornalista internacional, tendo atuado na Argentina, Inglaterra e Israel. É autora de cinco best-sellers de finanças e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. Ministra cursos e palestras, tendo se apresentado no evento “Success, the only choice” na Universidade Harvard (2014). Na TV, apresenta o quadro "Economia a Dois" na Escola do Amor, Record TV. No YouTube mantém o canal "Patricia Lages - Dicas de Economia", com vídeos todas as terças e quintas.
Fonte: R7

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA SOCIAL Vergonha para os baianos: dos 100 piores municípios para se viver em todo país, quase metade desses estão no estado da Bahia

Foto: Jucuruçu, no extremo sul da Bahia, é citado na lista Quatro em cada dez cidades brasileiras consideradas as piores para se viver ficam na Bahia. A informação é baseada em um relatório divulgado anualmente pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que considera um índice similar ao IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, que avalia longevidade, educação e renda da população) da Organização das Nações Unidas. O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) acompanha o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros também em três áreas de atuação: emprego e renda, educação e saúde. O índice varia de 0 (mínimo) a 1 ponto (máximo) e quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade. De acordo com os dados da Firjan, 55,2% do total das cidades possuem desenvolvimento moderado, e 1,9% (106 cidades) estão com baixo desenvolvimento, ou seja, abaixo de 0,4. Apenas 332 cidades (6% do total) possuem alto d

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas