Pular para o conteúdo principal

O que a lei diz sobre a nomeação do diretor-geral da PF?

A grande acusação de Moro contra Bolsonaro

Por Antonio Carlos Junior


Maurício Valeixo (José Cruz / Agência Brasil)

Como você já sabe, antes das 12:00 da última sexta o então Ministro da Justiça, Sérgio Moro, pediu demissão. Logo no início da tarde isso já era manchete mundial. Juristas – inclusive cristãos evangélicos – vieram a público, quase todos para repudiar uma suposta interferência do Presidente na nomeação do Diretor-Geral da Polícia Federal, pretendendo autonomia do Ministro nessa indicação. Um pouco mais tarde, às 17:00, o Presidente rebateu as acusações feitas pelo ex-juiz.
Feito esse resumo, e antes de entrar propriamente no assunto desse breve texto, preciso fazer duas observações.
A primeira é que não sou advogado do Presidente. Aliás, não conheci, não conheço e muito provavelmente não conhecerei Bolsonaro pessoalmente.
A segunda é que fiquei espantado com a imensa quantidade de condenações antecipadas do Presidente. E por que antecipadas? Porque, no “calor das emoções” e na pressa por um posicionamento, Bolsonaro sequer tinha sido ouvido pelos juristas sobre os quais falei acima.
E a Bíblia, me parece, não recomenda esse tipo de atitude. De acordo com o livro de Provérbios, “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado” (19.2). Não é por menos que o sábio Salomão, numa acusação recíproca entre duas mulheres, as ouviu antes de decidir para qual delas deveria entregar o bebê (1 Reis 3.16-28). Por isso escrevo esse texto apenas depois de ter ouvido as duas versões dos fatos…
Voltando ao assunto, talvez o grande motivo apresentado por Moro para sua saída tenha sido a suposta interferência de Bolsonaro na nomeação do comando da Polícia Federal. As provas dessa intervenção – diga-se de passagem, “exigidas” pela mídia (esse foi o termo utilizado pelo Jornal Nacional) –, pelo menos até o momento, são dois prints de conversas pelo WhatsApp. Aliás, tais provas foram repudiadas até mesmo por opositores do Presidente, como a Deputada Érika Kokay, do PT.
Sem entrar no mérito da robustez dessas provas, o que temos que responder é: de acordo com a lei, a quem pertence a atribuição de nomear o Diretor-Geral da Polícia Federal?
A Lei nº 9.266/1996, com a redação alterada pela Lei nº 13.047/2014 (sancionada pela então presidente Dilma Rousseff), assegura que o Diretor-Geral é nomeado pelo Presidente da República, tratando-se de um cargo “privativo de delegado de Polícia Federal integrante da classe especial” (art. 2º-C). Na mesma linha, o Decreto nº 73.332/1973, indica que esse Diretor-Geral é “nomeado em comissão e da livre escolha do Presidente da República” (art. 1º, caput).
O que significa, então, essa “livre escolha”? Significa que o Presidente pode nomear qualquer – isso mesmo, qualquer – “delegado de Polícia Federal integrante da classe especial”. Não há um mandato nem um prazo de validade para o exercício do cargo. O Presidente nomeia e exonera quando bem entender! Mesmo para aqueles que defendem que o ato de exoneração deve ser motivado, a “falta de confiança” pode muito bem ser uma razão invocada.
Só para compararmos, o Procurador-Geral da República também é nomeado pelo Presidente, mas somente após a “aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para mandato de dois anos” (art. 128, § 1º, da Constituição).
Ou seja, nesse último caso há duas diferenças:
  1. o nome precisa ser aprovado pelo Senado; e
  2. existe um prazo para o exercício do mandato.
Outra comparação possível está na nomeação dos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Diz a Constituição que “Os Ministros do Supremo Tribunal Federal serão nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal” (art. 101, parágrafo único). Perceba que, nesse caso, não existe um prazo para o exercício, sendo um cargo vitalício por conta do próprio texto constitucional (art. 95, I).
Dito isso, a lei garante que cabe ao Presidente – e exclusivamente a ele – o poder de nomear e exonerar o Diretor-Geral da Polícia Federal. Isso sem a necessidade de que o nome seja aprovado por qualquer órgão ou pessoa.
Aliás, segundo alegou o Presidente, o então Diretor-Geral não vinha dando a devida atenção a investigações que, no entender de Bolsonaro, deveriam merecer maior cuidado, a exemplo da facada ocorrida durante as eleições.
Aqui proponho uma pausa para perguntar: você conhece algum caso não esclarecido pela polícia? Se não é possível investigar tudo, que problema haveria no fato de o Presidente da República exigir maior empenho na solução de determinados crimes, especialmente daqueles que envolvem maior repercussão nacional?
Como você já sabe, antes das 12:00 da última sexta o então Ministro da Justiça, Sérgio Moro, pediu demissão. Logo no início da tarde isso já era manchete mundial. Juristas – inclusive cristãos evangélicos – vieram a público, quase todos para repudiar uma suposta interferência do Presidente na nomeação do Diretor-Geral da Polícia Federal, pretendendo autonomia do Ministro nessa indicação. Um pouco mais tarde, às 17:00, o Presidente rebateu as acusações feitas pelo ex-juiz.
Feito esse resumo, e antes de entrar propriamente no assunto desse breve texto, preciso fazer duas observações.
A primeira é que não sou advogado do Presidente. Aliás, não conheci, não conheço e muito provavelmente não conhecerei Bolsonaro pessoalmente.
A segunda é que fiquei espantado com a imensa quantidade de condenações antecipadas do Presidente. E por que antecipadas? Porque, no “calor das emoções” e na pressa por um posicionamento, Bolsonaro sequer tinha sido ouvido pelos juristas sobre os quais falei acima.
E a Bíblia, me parece, não recomenda esse tipo de atitude. De acordo com o livro de Provérbios, “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado” (19.2). Não é por menos que o sábio Salomão, numa acusação recíproca entre duas mulheres, as ouviu antes de decidir para qual delas deveria entregar o bebê (1 Reis 3.16-28). Por isso escrevo esse texto apenas depois de ter ouvido as duas versões dos fatos…
Voltando ao assunto, talvez o grande motivo apresentado por Moro para sua saída tenha sido a suposta interferência de Bolsonaro na nomeação do comando da Polícia Federal. As provas dessa intervenção – diga-se de passagem, “exigidas” pela mídia (esse foi o termo utilizado pelo Jornal Nacional) –, pelo menos até o momento, são dois prints de conversas pelo WhatsApp. Aliás, tais provas foram repudiadas até mesmo por opositores do Presidente, como a Deputada Érika Kokay, do PT.
Sem entrar no mérito da robustez dessas provas, o que temos que responder é: de acordo com a lei, a quem pertence a atribuição de nomear o Diretor-Geral da Polícia Federal?
A Lei nº 9.266/1996, com a redação alterada pela Lei nº 13.047/2014 (sancionada pela então presidente Dilma Rousseff), assegura que o Diretor-Geral é nomeado pelo Presidente da República, tratando-se de um cargo “privativo de delegado de Polícia Federal integrante da classe especial” (art. 2º-C). Na mesma linha, o Decreto nº 73.332/1973, indica que esse Diretor-Geral é “nomeado em comissão e da livre escolha do Presidente da República” (art. 1º, caput).
O que significa, então, essa “livre escolha”? Significa que o Presidente pode nomear qualquer – isso mesmo, qualquer – “delegado de Polícia Federal integrante da classe especial”. Não há um mandato nem um prazo de validade para o exercício do cargo. O Presidente nomeia e exonera quando bem entender! Mesmo para aqueles que defendem que o ato de exoneração deve ser motivado, a “falta de confiança” pode muito bem ser uma razão invocada.
Só para compararmos, o Procurador-Geral da República também é nomeado pelo Presidente, mas somente após a “aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para mandato de dois anos” (art. 128, § 1º, da Constituição).
Ou seja, nesse último caso há duas diferenças:
  1. o nome precisa ser aprovado pelo Senado; e
  2. existe um prazo para o exercício do mandato.
Outra comparação possível está na nomeação dos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Diz a Constituição que “Os Ministros do Supremo Tribunal Federal serão nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal” (art. 101, parágrafo único). Perceba que, nesse caso, não existe um prazo para o exercício, sendo um cargo vitalício por conta do próprio texto constitucional (art. 95, I).
Dito isso, a lei garante que cabe ao Presidente – e exclusivamente a ele – o poder de nomear e exonerar o Diretor-Geral da Polícia Federal. Isso sem a necessidade de que o nome seja aprovado por qualquer órgão ou pessoa.
Aliás, segundo alegou o Presidente, o então Diretor-Geral não vinha dando a devida atenção a investigações que, no entender de Bolsonaro, deveriam merecer maior cuidado, a exemplo da facada ocorrida durante as eleições.
Aqui proponho uma pausa para perguntar: você conhece algum caso não esclarecido pela polícia? Se não é possível investigar tudo, que problema haveria no fato de o Presidente da República exigir maior empenho na solução de determinados crimes, especialmente daqueles que envolvem maior repercussão nacional?
Não é demais lembrar que o próprio Moro, em várias oportunidades, sempre disse que Bolsonaro nunca havia inferido nos trabalhos da Polícia Federal, muito menos pedido a suspensão de qualquer inquérito ou investigação. Nesse sentido, se Moro falou a verdade nas entrevistas anteriores, nenhuma – repito, nenhuma – investigação foi frustrada pelo Presidente.
Ainda, você precisa saber que o Ministério Público pode, sozinho e sem a ajuda da polícia, investigar crimes. Ou seja, a nomeação de um novo Diretor-Geral da Polícia Federal não teria qualquer poder de barrar investigações contra Bolsonaro, seus filhos ou quem quer que seja. Aliás, o Procurador-Geral da República já pediu a abertura de inquérito contra o Presidente para apurar as denúncias de Moro…
Concluindo, quero reforçar o aspecto bíblico desse texto: tome cuidado com a precipitação. No mundo da quarentena e das fake news somos ainda mais tentados a cometer esse pecado que, como todos os outros, ofende a Deus. E você não quer isso; ou quer?
Fonte: Gospel Prime

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D