Notícias do Mundo Inteiro

Header Ads

Cristãos são presos em suas casas por assistirem culto online na China

Charge de jornal dinamarquês sobre coronavírus irrita China ...

Chineses são assediados dentro de casa. (Foto ilustrativa: Reprodução/RFA)
Chineses são assediados dentro de casa. (Foto ilustrativa: Reprodução/RFA)

Vários cristãos de uma megaigreja protestante fortemente perseguida na China foram detidos após serem pegos participando de um culto no Zoom.
Os membros da Early Rain Covenant Church foram presos em suas casas enquanto participavam de um serviço virtual durante o qual ouviram um sermão de seu líder preso, o pastor Wang Yi.
A Early Rain não se reúne pessoalmente desde dezembro de 2018, quando seu prédio foi invadido e a congregação foi sujeita a prisões em massa. Embora muitos anciãos e membros tenham sido libertados da prisão, Wang Yi permaneceu atrás das grades - no final do ano passado, ele foi condenado a nove anos de prisão.
Os membros da igreja disseram à International Christian Concern que os oficiais do Departamento de Segurança Pública invadiram as casas de seis líderes da igreja enquanto eles adoravam juntos.
“Eu também estava na ligação do Zoom, mas houve um longo período de tempo em que não ouvi nada. Pensei que fosse o problema de conexão de rede no início, mas logo ouvi uma briga surgir. Nosso colega de trabalho, Wang Jun, estava questionando algumas pessoas [dizendo]: 'Quem é você para fazer isso [conosco]?’”, contou um membro.
Além de Wang, vários outros líderes foram detidos, incluindo Guo Haigang, Wu Wuqing, Jia Xuewei, Zhang Jianqing e Zhang Xudong.
Um defensor da ERCC revelou alguns detalhes do incidente no Twitter: "Desde as 8:30 da manhã, algumas autoridades de segurança entraram nas casas dessas famílias cristãs e simularam conversas casuais com elas. Às 9:30 da manhã, o culto começou e eles também foram convidados a participar. Depois que perceberam que o sermão era do pastor preso do ERCC, Wang Yi, eles imediatamente o encerraram”.
O relato de Zhang Jianquing lembrou o que a polícia disse durante os incidentes: "Não participe mais de atividades [religiosas] já proibidas! Não ouça mais os sermões do pastor [Wang]! Se você fizer isso de novo, vamos lidar com isso com seriedade e levá-lo embora!”.
Um dos indivíduos alvo teve o fornecimento de energia de sua casa cortado, enquanto outros receberam telefonemas intimidadores nos quais foi informado que "a polícia [iria] visitá-los em breve".
Os seis crentes foram libertados da custódia.
Preocupações
Gina Goh, gerente regional da ICC para o Sudeste Asiático, disse: “É uma pena que o governo chinês não tenha parado uma vez de perseguir a igreja ERCC. Desde a repressão em 2018, as autoridades locais continuaram a monitorar e assediar os membros do ERCC, com a esperança de que a igreja se dispersasse”.
“Numa época em que o povo chinês está sofrendo com a pandemia do Covid-19, o regime insensível decidiu infligir mais problemas aos seus cidadãos. A ONU deve suspender imediatamente a nomeação da China para o Conselho de Direitos Humanos por sua falta de respeito pelos direitos humanos.”
O pastor Wang Yi tem uma história de ousadamente proclamar Cristo do púlpito. Pouco antes de ser preso, ele convocou pessoalmente pessoalmente o presidente Xi Jinping - que vem travando uma campanha de opressão de anos contra os cristãos do país - a se arrepender de seus pecados.
“Quando não estamos sendo perseguidos, espalhamos o evangelho. E quando a perseguição chega, continuamos a espalhar o evangelho”, pregou o pastor Yi em uma mensagem de 2018.
Ele acrescentou: "Se estamos falando de um presidente, declaramos que ele é um pecador. E se estamos falando de um secretário geral, ainda declaramos que ele é um pecador. Acreditamos que temos a responsabilidade de dizer a Xi Jinping que ele é um pecador.”

Fonte: Guiame.com.br


Postar um comentário

0 Comentários