Pular para o conteúdo principal

Romina Ashrafi: o assassinato de menina de 14 anos pelo próprio pai em ‘crime de honra’ que choca o Irã

Essa é a vida das mulheres sob o Islã 

No Irã, as mulheres vivem sob rígidos códigos morais e de vestuário
No Irã, as mulheres vivem sob rígidos códigos morais e de vestuárioAFP


Romina Ashrafi, uma adolescente de 14 anos, fugiu de sua casa na província iraniana de Guilán com seu namorado de 35 anos depois que o pai dela se opôs ao casamento deles.
No entanto, o casal foi encontrado pela polícia e Romina foi levada de volta à sua casa, apesar de ter dito que temia por sua vida.

E os temores dela tinham fundamento. Ela foi morta na semana passada por seu próprio pai.

O homem decapitou sua filha com uma foice e, depois de se render à polícia, disse que era um "crime de honra", uma prática que persiste em vários setores da sociedade iraniana e é praticada por familiares que alegam que as vítimas danificaram o prestígio ou a honra da casa.

O caso teve grande repercussão nos meios de comunicação do país.

O portal de notícias Gilkhabar.ir informou que o pai de Romina cometeu o assassinato e saiu para o pátio de sua casa ainda com a foice manchada com o sangue da filha.

O homem confessou o crime sem hesitação e apontou que se tratava de um "crime de honra", e que o cometera porque sua filha o desobedeceu e traiu sua família.
O caso ecoou por jornais iranianos, com vários órgãos lamentando o fracasso da legislação do país em proteger mulheres e meninas.
A hashtag #Romina_Ashrafi foi usada mais de 50 mil vezes no Twitter por usuários iranianos e a maioria deles condenou o assassinato e a natureza patriarcal da sociedade iraniana em geral.

Shahindokht Molaverdi, ex-vice-presidente para Assuntos da Família e da Mulher e atual secretária da Sociedade para a Proteção dos Direitos das Mulheres do Irã, escreveu: "Romina não é a primeira nem será a última vítima de crimes de honra".

Ela acrescentou que esses assassinatos continuarão "enquanto a lei e as culturas dominantes nas comunidades locais e globais não forem suficientemente dissuasivas".

O Código Penal Islâmico do Irã reduz medidas punitivas para pais e outros membros da família que são condenados por assassinato ou agredir fisicamente crianças em casos de violência doméstica ou "crimes de honra".
Se um homem for considerado culpado de assassinar sua filha em tais situações, a punição é de entre 3 e 10 anos de prisão, em vez da habitual sentença de morte ou do pagamento de diyeh (dinheiro de sangue, que é o pagamento à vítima ou herdeiros de uma vítima nos casos de homicídio, lesões corporais ou danos materiais) por assassinato.

Não há estatísticas sobre o número de "crimes de honra" que ocorrem no Irã, mas ativistas de direitos humanos relataram no ano passado que eles continuam a ocorrer, principalmente entre populações rurais e tribais.

Assassinatos e crimes de honra ocorrem em outros países do Oriente Médio e no sul da Ásia, embora esses crimes também tenham sido relatados em alguns países da Europa.

A maioria deles ocorre com a justificativa de que a vítima desobedeceu ou desonrou a família, manteve relações homossexuais ou sexo antes do casamento, entre outras.

fonte: R7


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D