Pular para o conteúdo principal

Sergio Moro é denunciado na Comissão de Ética da Presidência

Na imagem, Moro durante anúncio de demissão do ministério da Justiça

Na imagem, Moro durante anúncio de demissão do ministério da JustiçaMateus Bonomi / Estadão Conteúdo

Um grupo de juristas protocolou uma denúncia contra o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro na Comissão de Ética da Presidência da República.

Entre os motivos, está a suposta negociação pela indicação ao STF (Supremo Tribunal Federal) que teria ocorrido entre Moro e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).


“O primeiro dos atos antiéticos ora imputados ao denunciado (Moro) consiste na conduta, suscitada pelo presidente da República, de exigir sua indicação para a vaga de ministro do STF, em troca da continuidade do cargo de ministro de Estado da Justiça.


A peça, de 21 páginas, cita uma frase dada por Bolsonaro. “Referiu o presidente, como visto, que “o senhor Sergio Moro disse pra mim: ‘você pode trocar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que o senhor me indicar para o STF’”.

A afirmação de Bolsonaro ocorreu após a saída de Moro. Na ocasião, o ex-juiz da Lava Jato afirmou haver interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal e, por isso, ocorreu a demissão de Maurício Valeixo, braço direito de Moro e diretor-geral da instituição. Em seguida, Bolsonaro negou interferência e disse que Moro havia condicionado a troca de Valeixo a uma indicação para o STF.

“Como se pode extrair de ambos os trechos, resta evidente que a aceitação e a permanência no cargo de ministro da Justiça foram resultantes de um ajuste entre as duas autoridades que implicaria a indicação do Sr. Sergio Fernando Moro à vaga de ministro do STF decorrente da iminente aposentadoria do ministro Celso de Mello.

Cabe ao presidente da República a indicação de uma cadeira no STF. No caso de Bolsonaro, será duas designações: Mello completa 75 anos em novembro e, a partir daí, sua cadeira está vaga. Depois, em junho de 2021, será a vez de Marco Aurélio Mello.

Para os juristas, Moro também aceitou vantagem ou promessa de vantagem sobre o pagamento de uma pensão à família do ex-ministro caso o próprio morresse durante sua gestão à frente do Ministério da Justiça. “O próprio Moro declarou na entrevista em que externou seu pedido de demissão, afirmou que a única condição que fez foi um pedido de pensão à sua família se algo ruim lhe acontecesse”, diz.

Por fim, solicitam a sanção de censura ética a Moro e que as conclusões do procedimento sejam enviadas ao MPF (Ministério Público Federal).

O documento é assinado pelos advogados Celso Antônio Bandeira de Mello, Lenio Luiz Streck, Caroline Proner, Marcelo da Costa Pinto Neves, José Geraldo de Souza Junior, Kenarik Boujikian, Antonio Gomes Moreira Maués, Vera Lúcia Santana Araújo, Marcelo Andrade Cattoni de Oliveira, Gisele Guimarães Cittadino, Geraldo Prado, Weida Zancaner Bandeira de Mello, Fabio Roberto Gaspar e Marco Aurélio de Carvalho.

Procurado pela reportagem, a defesa de Moro ainda não se pronunciou. O espaço está aberto para manifestação.

Fonte: R7

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D