Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro é o favorito nas eleições presidenciais de 2022, diz pesquisa

Presidente tem cerca de 30% da preferência do eleitor na disputa com Moro, Lula, Ciro, Haddad,Luciano Huck, Mandetta e outros nomes





Presidente Jair Bolsonaro é favorito para as eleições presidenciais de 2022, diz pesquisa

Presidente Jair Bolsonaro é favorito para as eleições presidenciais de 2022, diz pesquisa

Adriano Machado/Reuters 
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lidera a corrida eleitoral para a Presidência em 2022 em três cenários com cerca de 30% da preferência do eleitorado, segundo pesquisa de opinião feita pelo Instituto Paraná Pesquisas. A pesquisa é estimulada, ou seja, os nomes dos candidatos são apresentados ao eleitor e ele escolhe um ou nenhum deles. 
Cenário 1 com Moro
De acordo com o levantamento, Bolsonaro tem 29% da preferência do eleitor no cenário da disputa com o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que tem 17,1%. Nesse cenário, o petista Fernando Haddad vem em terceiro, com 13,4%. Ciro Gomes (PDT) tem 9,9%. O apresentador Luciano Huck tem 6,5%, o governador de São Paulo João Doria (PSDB) tem 4%. João Amoêdo (Novo) tem 3,4%. Guilherme Boulos (Psol) tem 1% e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) tem 0,7% das intenções de voto. 10% dos entrevistados não escolheram nenhum candidato e 4,9% não sabem ou não responderam. 
Quando a pesquisa é feita com o nome do ex-presidente Lula (PT) no lugar de Fernando Haddad, o presidente Jair Bolsonaro cai um pouco para 27,5% da preferência, contra 21,9% de Lula. Moro vem em terceiro com 16,8%, Ciro Gomes tem 8,3%, João Doria 3,8%, Amoêdo 3,4%. Marina Silva (Rede), que não estava no primeiro cenário, aparece com 2,5%, Witzel tem 0,9% e Boulos 0,7%. 9,5% não escolheram nenhum candidato e 4,6% não sabem ou não responderam.

Cenário 2 com Lula
Já no terceiro cenário, sem Moro em com Haddad no lugar de Lula, o presidente Bolsonaro tem a melhor performance, com 30,7% das intenções de votos. Haddad tem 14,5% e Ciro Gomes vem em terceiro, com 10,7% da preferência. Luciano Huck tem 8,3%, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta entra no cenário com 5,7% das intenções. O governador João Doria tem 4,6%, Amoêdo tem 4%. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) aparece com 1,6% das intenções e Witzel tem 0,9%. Para esse cenário, 12,8% não votariam em nenhum dos candidatos e 6,1% não sabem ou não responderam. 
Nas simulações de segundo turno, Bolsonaro também ganha em todos os conflitos simulados. Entre Bolsonaro e Haddad, Bolsonaro seria eleito com 46,6% dos votos contra 32% para Haddad. No confronto com Lula, Bolsonaro teria 45,6% contra 36,4% do ex-presidente. Entre Bolsonaro e Sergio Moro, Bolsonaro venceria com 44,7% e Moro teria 35%. 
Cenário 3
Já entre Bolsonaro e Ciro Gomes, Bolsonaro venceria com 48,1% dos votos contra 31,1% do Ciro. Entre Bolsonaro e Doria, seriam 51,7% dos votos para Bolsonaro e 23% para Doria. Já entra Jair Bolsonaro e Luciano Huck, o apresentador perderia com 27,6% das intenções de voto e Bolsonaro seria o vencendor com 50,8% das intenções de voto. 
O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 2.030 eleitores em 188 municípios das 27 unidades da federação entre os dias 18 e 21 de julho. O grau de confiança da pesquisa é de 95% para uma margem de erro de dois pontos percentuais para os resultados gerais.
Veja abaixo as simulações do segundo turno: 

Nas simulações do segundo turno, Bolsonaro vence em todas as simulações

Nas simulações do segundo turno, Bolsonaro vence em todas as simulações

Reprodução
Fonte: R7

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D