Pular para o conteúdo principal

Comunismo: Na Venezuela, “batalhões de extermínio” matam mais que o Covid-19

 

Comunismo: Na Venezuela, “batalhões de extermínio” matam mais que o Covid-19

Por Luis Dufaur



A repressão governamental de fundo ideológico mata mais que o Covid-19 e que o próprio crime organizado. Por isso, a Venezuela sofre de três “pandemias” ao mesmo tempo, concluiu o Observatório da Violência da Venezuela (OVV), segundo o El Mundo, de Madri.

O OVV estima que o governo é culpado de 4.231 mortes violentas por “resistência à autoridade”, nome oficial que esconde as execuções extrajudiciais lideradas pelas Forças Especiais da Polícia Nacional Bolivariana ( FAES).

Essas “forças especiais” são definidas pela ONU como os “batalhões de extermínio” do socialismo venezuelano.

O governo “bolivariano” reconhece pouco mais de mil mortes causadas por Covid-19, embora fontes não oficiais e o Parlamento digam que o número certo equivale ao dobro disso.

“A ‘epidemia’ de violência policial se sustenta em aumento desde 2016. Em metade dos entes federados do país, a mortalidade policial foi maior do que a criminal”, disse Roberto León Briceño, diretor da OVV.

Coincidentemente, a FAES nasceu nesse ano de 2016 por ordem de Nicolás Maduro.

Além delas, todas as forças policiais e militares têm participado de execuções extrajudiciais, “incluindo uma brigada canina”, revelou o professor León Briceño.

“As mortes por ‘resistência à autoridade’ representam quatro vezes mais do que as mortes por coronavírus em 2020”, disse Briceño.

Das 11.891 mortes violentas durante o ano da “pandemia”, 4.153 foram classificadas como homicídios, há 3.507 mortes sob investigação e 4.231 são atribuídas a agentes do governo.

Entre os mortos ou executados pela polícia, 66% tinham antecedentes criminais ou policiais, de acordo com as autoridades. No total, desde 2016, 27.856 venezuelanos foram mortos pelo governo, quantificou Briceño.

Essas mortes violentas representam uma taxa de 45,6 por 100.000 habitantes, mas estão em retrocesso em relação a 2019, quando foram registrados 16.515 (taxa de 60,3) quando o Covid-19 ainda não se tinha manifestado.

A Venezuela continua liderando o ranking regional de violência. A Colômbia fechou 2020 com uma taxa de 23,3 mortes violentas por 100 mil habitantes, uma redução significativa. No México, os homicídios aumentaram para 30 por 100 mil habitantes e no Brasil atingiram 23,5 por 100 mil habitantes.

Mais de seis milhões de venezuelanos foram obrigados a fugir para o exterior para sobreviver.

Os grandes grupos do crime organizado foram beneficiados pelo lockdown pois “encontraram novos nichos de extorsão” com caixas de comida subsidiadas pelo governo, contrabando de importação ou assédio contra estabelecimentos, clínicas e empresas.

O novo modus operandi de extorsão inclui o lançamento de granadas contra quem não paga. O OVV contou entre três e quatro explosões semanais.

O crime se dolarizou, abandonando a moeda nacional. “Os extorsionários, sequestradores e assaltantes cobram em dólares, mas também os policiais e militares corruptos”, certificou Briceño, que qualificou o grau de letalidade policial de “extermínio”.

O diretor da OVV inclui entre os danos mais graves da criminalidade ideológica oficial a perda de soberania nacional.

O governo faz pactos nas fronteiras que são “mecanismos de coabitação entre grupos armados e forças do Estado”: o crime definido pela lei diminui pela imposição de uma nova lei que é a dos criminosos, explicou Briceño.

Dessa maneira desaparece o Estado de Direito e a própria noção de uma nação organizada e se retorna a um tribalismo criminoso em que preside o cacique mais cruel.

 

Luis Dufaur, escritor, jornalista, conferencista de política internacional, é sócio do IPCO e editor de diversos blogs, dentre os quais o ‘Acontecendo na América Latina‘.

Fonte: Mídia Sem Máscara


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem são os 7 pastores mais respeitados do Mundo; Saiba agora

Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem Não é uma tarefa tão fácil escolher entre tantos o 7 pastores mais respeitados do Brasil. Com certeza alguém poderá ficar de fora, outra questão é escolher entre as tantas linhas religiosas que existem. Outra pergunta é: Ele é tão bom, se é! Por que é? Ou é escolhido bom apenas pela sua fama? Muitas vezes o bom é aquele que contraria as multidões, mas o bom pode também estar entre as multidões, “Não devemos esquecer que por se tratar da Palavra de Deus, o discurso do pregador deve ser embasado nas Escrituras sempre” então fica ai minha dica e junto também uma de suas mensagem. No VÍDEO abaixo você vai conferir os nomes dos pastores que o Brasil inteiro conhece. São pastores de grandes ministérios que contem números altos de fieis sobre a presença de Deus. Hoje nas

Mais um que apoia o Partido das Trevas: Pastor Daniel Elias da Assembleia de Deus vira garoto propaganda do PT para atrair evangélicos

O pastor é uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas evangélicas Pastor Daniel Elias (Reprodução) A nova estratégia do PT (Partido dos Trabalhadores), para ter um melhor desempenho nas eleições municipais de 2020, é a aproximação dos evangélicos. A pedido do ex-presidente Lula, o partido está criando núcleos evangélicos nos estados para tentar conquistar a classe evangélica que já provou que pode fazer a diferença nas urnas. Uma das armas do PT para se infiltrar nas igrejas é o pastor da Assembleia de Deus de Duque de Caxias RJ, Daniel Elias. O líder religioso é militante do PT e discípulo fiel de Lula. Há um ano ele virou notícia em todo país quando viajou até Curitiba, no Paraná, para realizar um ato profético em favor do ex-presidente que estava preso na carceragem da Polícia Federal (PF). Daniel Elias, de 38 anos, ungiu o cadeado do portão da sede da PF. O pastor admite que a articulação enfrenta dificuldades.  “O grupo ligado à direita chegou primeiro

IRMÃ DULCE, SANTA? SERÁ? IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO

IRMÃ DULCE E O SEU LADO OBSCURO Retrato de Irmã Dulce Deixar de reconhecer que a D. Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, fez um trabalho filantrópico, sacrificial, e altruísta, é ser um ignorante, tendencioso e ingrato. Nascida em 26 de maio de 1914, na capital baiana, e falecida no dia 13 de março de 1992,  foi uma religiosa católica brasileira que dedicou a sua vida a ajudar os doentes e os mais necessitados. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de "Bem-aventurada Dulce dos Pobres". Será canonizada pelo Papa Francisco em uma celebração no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019. Por ser muito jovem ela foi recusada pelo Convento de Santa Clara. Formou-se em professora primaria em 08 de fevereiro de 1932 e um ano após entrou para a Congregação Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de D